Inbound Marketing

Como Antoine Laurent Lavoisier disse que “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, eu posso dizer que, em marketing e tecnologia também. Sendo, o Inbound Marketing, (também conhecido como marketing de atração), um bom exemplo dessa “lei da conservação”, pois está sempre se reinventando.

Segundo Peter Druker (considerado pai da administração moderna), os princípios do Inbound Marketing tem sua fundação principal no conceito de Seth Godin, o Marketing de Permissão, presente no livro “Permission Marketing” de 1999.

Mas foi a partir de 2009, com o lançamento do livro “Inbound Marketing: seja encontrado usando o Google, a mídia social e os blogs”, que o conceito passou a ser mais difundido e utilizado por empresas de todo o mundo.

Inbound Marketing

De qualquer forma, podemos dizer que sempre que o profissional de marketing foca suas estratégias no consumidor: atraindo, convertendo, fidelizando e encantando, ele está praticando o Inbound Marketing, mesmo sem perceber. E com o mercado competitivo, crises constantes e consumidor mais exigente, esse conceito vem sendo mais utilizado e tomando cada vez mais força.

O Inbound Marketing consiste em inverter o fluxo de interesse, ao invés de se ir atrás dos clientes, são os clientes que te procuram e o acompanham, atraídos pela sua oferta de conteúdo.

E na hora da decisão final é mais confortável e seguro para o cliente comprar de uma empresa que ele já conhece e confia.

 

Como funciona o Inbound Marketing?

Para entender melhor, vamos utilizar o funil de Marketing Digital, que é baseado em 3 camadas: Leads (pessoas estão atraídas pela oferta, porém não são identificadas), Propects (têm interesse na oferta e se identificam, podendo compor uma lista de potenciais clientes – “mailling”) e Custumers (o cliente que efetua a ação de compra).

A técnica do “marketing de atração”, está baseado em etapas bem definidas como se seguem:

  • Atrair leads – Por meio da difusão dos conteúdos distribuídos na internet (sites, blogs, podcasts, eBooks, newsletters, etc );
  • Converter leads em prospects – Troca de conteúdo relevante para os leads em troca de suas informações pessoais;
  • Converter prospects em custumers – por meio das informações dos interesses do mailing (sua lista de prospects), realiza-se a oferta para o fechamento de negócios;
  • Fidelização de clientes – continuar fornecendo conteúdo relevante e criar novas ofertas para geração de novos negócios;
  • Avaliação e melhoria contínua – Analisar permanentemente se os conteúdos se mantém de interesse do público e buscar melhorias para entrega dos conteúdos e nos métodos de relacionamento com este público;

Qual é o potencial de resultado?

De fato, com esse modelo, a perspectiva de retorno é infinitamente maior. Para ilustrar este aspecto, vou relatar uma conversa que tive com uma Gerente de Marketing de um de nossos clientes: perguntei a ela quantos produtos de sua empresa ela poderia me oferecer. Conhecendo meu perfil, ela respondeu que me ofereceria 2 produtos. Quando respondi prontamente que tinha interesse em pelo menos 5 produtos, senti que ela fez um breve silêncio – acredito que pensando quais produtos que eu poderia ter interesse – e concluí dizendo que ela jamais saberia disto a não ser que eu fosse motivado a declarar estes interesses. Neste momento entra Inbound Marketing. Ele permite criar um ambiente que ajuda a identificar estes interesses, e isso, com toda a certeza, pode fazer toda a diferença no custo de conversão e nos resultados das empresas.

É fácil implantá-lo no meu negócio?

Tudo tem dois lados. Sem dúvida, é fantástica a capacidade desta técnica em se relacionar com os clientes pelos seus interesses. Por outro lado, se a pretensão é alavancar resultados consistentes e progressivos, este não é um método muito simples de ser usado, necessita muito tempo, pessoal qualificado e tecnologias para o gerenciamento de um grande volume de informações que demandam ações imediatas. Por isso, cada vez mais empresas especializadas como a nossa agência, tem se capacitado para aplicar o Inbound Marketing, afim de atender este perfil de empresas.

No entanto, podemos pensar sua aplicação em uma escala menor. Isso não exime de se ter uma grande demanda de trabalho para gerar constantemente conteúdos relevantes e acompanhar a tendência dos Leads, além de postar ofertas e criar condições de fechamento de negócios.

Vale a pena investir em Inbound Marketing?

Com toda a certeza vale a pena, principalmente para aqueles que estão pensando em buscar uma técnica mais eficiente que as tradicionais de Marketing Digital para alavancar vendas.

Para aqueles que ainda têm dúvida, desde já me coloco a disposição e digo que vale a pena conhecer mais e se aprofundar neste tema, que amplia as possibilidades de nos relacionarmos e oferecermos produtos e serviços aos nossos clientes.

Avatar
CEO da Vega Web

Um comentário sobre “Inbound Marketing – A transformação do Marketing Digital”

Os comentários estão desativados.